domingo, 4 de janeiro de 2015

A SOPA DAS MASSAS GIGANTES



E
ra uma vez um menino chamado Artur e que era muito bem comportado. Tanto em casa como na sua escolinha todos os meninos e educadores gostavam muito dele. Os seus desenhos eram sempre muito lindos, gostava muito de aprender coisas e adorava partilhar aquilo que era seu. Brincava muito, era muito respeitador para com as pessoas mais velhas e procurava sempre ser um bom menino. Com os seus coleguinhas e amigos dava-lhes sempre as suas bolachas e quando jogava um jogo com eles deixava que eles ganhassem algumas vezes para eles não ficarem tristes por perder; assim ganhavam todos e, no fim, todos ficavam sempre felizes e amigos uns dos outros.
Em casa, o Artur era também um menino de quem os pais gostavam muito porque ele era realmente um menino muito especial.
 Certo dia, o Artur que adorava comer sopa, reparou que a sopa que a sua mãe lhe deu era diferente, parecia especial. “Aquela não era uma sopa qualquer, não, tinha qualquer coisa de mágico e estranho” – pensou.
- Mãe, esta sopa tem massas gigantes. - Disse ele, espantado, olhado para o prato.
A mãe olhou para ele e riu-se da observação.
- Pois tem. – Disse-lhe então, reparando, também ela, que de facto as massas eram maiores do que habitualmente punha na sua sopa.
- Sabes, Artur – explicou-lhe ela - esta sopa não foi a mãe que fez: é mágica e foi feita por um duende que a veio trazer.
- Um duende? O que é um duende? – Perguntou o Artur à mãe.
– Os duendes são seres muito pequeninos que vivem muito longe, numa floresta encantada e que gostam muito dos meninos que comem sempre a sopa e que se portam bem. Por isso, como prémio, eles decidiram trazer-te esta sopa com massas gigantes por seres um menino muito especial.
- Deve ter sido muito difícil para eles carregar estas massas gigantes às costas - concluiu o Artur.
- Sim, sim, muito difícil, mas eles são fortes e prometeram que se continuares a ser um menino bem comportado vão continuar a trazer-te mais sopa mágica, como esta, e com massas ainda mais gigantes...
- Boa, Mãe!!! – gritou o Artur todo contente. - vou continuar a portar-me bem – e comeu a sopa toda.

2 comentários:

  1. Que linda historinha! Gostei muito e assim, Artur vai crescer forte , além de querido e obediente! abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Chica pela presença e manifestação aqui. Sim, e o Artur, tal como o Duende e a sopa, são personagens e figuras verdadeiras de uma historinha com verdades dentro. Bjs.

    ResponderExcluir