segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

A terminar o ano, aqui fica uma poesia...

Folha

De pele enrugada,
Rasgada pelo tempo,
Pela intempérie vergada,
Ao sabor do vento:
Surge da minha alma
Uma folha
Que brota, como sangue,
Uma bolha:
Lágrima de vida, alada.
Escoa-se para a terra—
Pó, cinza e nada.

CA