segunda-feira, 7 de julho de 2014

AMARRAS

amarras
As palavras perdem todo o sentido
quando te vejo:
e fico feliz só por estares
mesmo na distância de um meio metro
já não há palavras que valham
o ensejo
do momento de te sentir perto,
olhar-te e os meus sentimentos se calam
no desejo
do que é certo.

Errado: reclamas distância em tua defesa
e sobre minha dor acumulada
de mágoa e em surpresa
minha angústia recrudesce desesperada.

Baixo o olhar para o chão,
procuro não vacilar,
tento segurar-me da morte
com minha própria mão
e repetir bem alto e forte
que não te posso nem devo amar.
CA

8 comentários:

  1. Lindo teu amor, embora tristes versos ao final. Linda foto também! essas amarras... Adorei! abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, amiga. A vida não vai acabar hoje.

    ResponderExcluir
  3. Teu céu está lá! Obrigadão! abraço,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Chica, já vi e fiquei feliz de vê-lo lá tão longe e tão perto.

      Excluir
  4. Nossa, sem palavras... versos que adoraria ter escrito. Lindo demais. Um abraço Carlos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Nádia. Quando os sentimentos falam tudo é simples de dizer, não é?. E a Nádia sabe bem do que falo. Obrigado pelas (sem) palavras porque há "gestos" que dizem tudo.

      Excluir
  5. Olá,
    Amarras nos deixam amarrados... não vale a pena!!! O amor liberta!!!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Roselia pelo comentário.

      Sim, também não quero as amarras que me prendem ao passado sofrido. Quero "amarras", sim, mas que me agarrem e segurem ao futuro preso em amor...

      Com amarras te prendo,
      com amarras te entendo,
      com amarras te desvendo...

      Excluir