quinta-feira, 18 de abril de 2013

PAIS E MÃES

Vou editar um comentário que fiz no Blogue que estou a seguir da Maria do Sol e vou acrescentar algo que me parece muito importante neste momento.
 
Eu já perdi, há muitos anos, pai e mãe, no entanto, tenho-os sempre presentes como se estivessem ao meu lado a apoiar-me.
 
Não sinto que me ajudem muito, pelo menos nada do que eu peço é atendido, mas na hora de evitar o acidente, apesar de ter fechado os olhos, porque ia bater no carro parado à minha frente, lá estava a mão do meu querido pai (que foi motorista de taxi anos a fio) e o carro parou a um centímetro do desastre...
 
Pai e mãe são géneros únicos que nunca devemos menosprezar. Se alguém tem amor aos seus filhos, esse amor verdadeiro e incondicional são os pais que o têm.
 
Hoje, no entanto, fui acusado de estar doente e que devia ir ao médico por agir de acordo com aquilo que eu acho que são critérios de justiça e igualdade que sempre defendi. Como se não bastasse, depois de quase 50 anos de trabalho, e como se estar desempregado fosse um privilégio, ainda me mandaram ir trabalhar...
 
Posso ter errado muito ao longo da minha vida, mas de algo me posso orgulhar: nunca faltei ao respeito aos meus pais nem a ninguém de forma deliberada. Todos temos telhados de vidro, ninguém é detentor da verdade absoluta, eu incluído.
 
É um lamento que aqui deixo, público.

Penso que fui um homem exemplar, um empregado exemplar, um marido exemplar, um pai exemplar, um filho exemplar, no entanto, não perfeito. Ninguém é perfeito. Mas, por favor, deixem de me castigar mais pelos meus erros, porque desde há quatro anos a esta parte que sofri muito e tenho continuado a sofrer por causa deles. Um sofrimento como não desejo a ninguém, nem mesmo àqueles que não gostam de mim, sabendo que há por aí muita gente que acha que eu sou realmente muito má pessoa. 
 
Por favor, sejam felizes, mas deixem-me também ser feliz.

3 comentários:

  1. Não sei porquê, mas esta semana percebi que pelo menos uma das pessoas que mais amo , não é imortal. Essa ideia transformou-me de tal maneira que deixei de dar importância a uma quantidade enorme de coisas. Percebi que pude contar com pessoas que me pareciam apenas calculistas e afinal, as outras com quem dividi afectos nem sequer tiveram uma palavra de ocasião para me perguntarem se preciso de alguma coisa. O mundo é feito destas contradições. Mas o mundo também está cheio de gente maravilhosa, como a minha amiga Teresinha, que não via há meia duzia de anos e que agora faz o favor de ir ao hospital para estar com a minha mãe quando eu venho embora, porque moro a 80 km dele. A Teresinha faz de Maria e a minha mãe não está tantas horas abandonada. A Teresinha não me deve nada e eu jamais conseguirei pagar este gesto dela...O mundo é um lugar muito estranho. Precisamos de nos perdoar a nós próprios para conseguir viver nele. Faça isso.
    Abraço do fundo do coração.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Maria do Sol pelo comentário. Tem razão no que diz e felizmente que ainda há gente boa à nossa volta. Eu procuro ser uma dessas pessoas boas que mesmo mostrando indiferença estou bastante atento ao que me rodeia. É verdade que prefiro afastar-me a envolver-me nas tragédias. Mas se tiver de agir, ajo.
    Eu assumo os meus erros com naturalidade, como um processo de crescimento por que temos de passar. São inevitabilidades. Mas há quem agarre neles e os evidencie para nos crucificar, como se toda a nossa vida não tivesse valido nada.
    Diz-se que as desculpas não se pedem, evitam-se. Mesmo assim eu peço desculpa a todos os que fiz e faço sofrer, mas não o faço deliberadamente. Respeitem as minhas decisões e pontos de vista, não me julguem por aquilo que não sou.
    Para um homem em que o AMOR foi sempre a palavra chave ao longo da sua vida, que castigo merece?
    Obrigado, mais uma vez.

    ResponderExcluir
  3. Dizer ainda que infelizmente não há muitas "Teresinhas" ao cimo da terra. As pessoas são muito egoístas e, pior que isso, são más, o que se lamenta. Mas sejamos positivos. Como disse Honoré de Balzac "A infelicidade tem isso de bom; faz-nos conhecer os verdadeiros amigos" e são estas mensagens que temos de evidenciar e mostar às pessoas que ainda há quem saiba ser amigo. Obrigado a todas as Teresinhas deste mundo

    ResponderExcluir